Agiotas

agiotasA agiotagem é uma prática ilegal de empréstimo financeiro que oferece dinheiro fácil e sem burocracia, cobrando em troca juros mais altos do que os praticados pelos bancos e financeiras e fazendo uso de ameaça ou extorsões para conseguir o pagamento da dívida.

 

Como funciona

Os agiotas geralmente fazem empréstimos sem pedir comprovação de renda ou qualquer consulta de crédito, não pedem fiador e liberam o dinheiro na hora apenas a partir de um acordo verbal, sem um contrato assinado. Em troca os agiotas cobram juros altíssimos (entre 12 e 40% ao mês), muito acima dos praticados pelo mercado e exigem como garantias nomes e telefones de pessoas de referência, notas promissórias, cheques assinados em branco, joias ou até mesmo automóveis e imóveis.

 

Quem são os alvos

Em geral recorrem aos agiotas pessoas que já estão endividadas e por isso não tem crédito em outras instituições (já tem nome no CPC, Serasa), aposentados que já ultrapassaram o limite de crédito consignado, pessoas que precisam de dinheiro rápido para pagar outras dívidas ou necessitam de mais do que alguma instituição financeira pode ceder. Os agiotas anunciam seus serviços por meio de panfletos e anúncios de jornal prometendo dinheiro fácil, rápido e sem consulta as instituições de crédito.

 

Agiotagem é ilegal

Ao contrário dos bancos, os agiotas não possuem credencialmente no Banco Central para fazer operações financeiras, não possuem empresas registradas, não seguem um contrato e agem na clandestinidade. A agiotagem é uma prática ilegal, por esta razão, quando alguém deixa de pagar um empréstimo, ao invés de acionar a justiça, o agiota passa extorquir o devedor.

Os agiotas praticam crimes ao emprestar dinheiro sem autorização, ao cobrar juros muito abusivos e principalmente ao constranger, ameaçar, tentar extorquir ou mesmo agredir as pessoas que não pagam as dívidas contraídas.

 

Como funciona a dívida

Um dos maiores problemas das dívidas com o agiota são as altas taxas de juros que eles cobram. Os juros são calculados a partir de um percentual sobre o valor emprestado e variam muito dependendo de quem empresta. Os bancos que costumam cobrar taxas, cobram em torno de 6% de juros para empréstimo pessoal, por volta de 9% para cheque especial e cerca de 11% de juros para cartões de crédito. Já os agiotas, como dissemos, cobram entre 12 e 40% ao mês.

É difícil visualizar e entender o que isso significa na prática, por isso vamos fazer uma simulação, considerando um caso comum de alguém que tem um salário baixo, contas altas e acabou se enrolando em dívidas.

Marcelo tem um salário de R$1500 e gastos mensais fixos de R$1300 (aluguel, contas, alimentação, transporte, etc.). Como o salário é curto, Marcelo acabou gastando mais do que podia, se enrolou em dívidas com carnês e cartões de crédito e ficou com o nome sujo. Ele resolve então pegar R$2.000 reais emprestados com um agiota para pagar as contas que estão em atraso e limpar seu nome. A taxa de juros cobrada pelo agiota é 20%, e o prazo para o pagamento da dívida é de 12 meses. Supondo que ao longo do próximo ano, Marcelo consiga enxugar suas despesas e pagar ao agiota o valor de R$200 todos os meses para tentar saudar a dívida, vamos ver como esta dívida evolui ao longo do ano:

 

 

- No final do 1º mês, considerando os juros de 20% que incidem sobre a dívida, Marcelo estará devendo o dinheiro que pegou emprestado, mais R$400 de juros, o que significa que em 30 dias Marcelo tem uma dívida de R$ 2.400,00 com o agiota. Pagando R$200 que conseguiu economizar de seu salário, Marcelo ainda terá uma dívida de R$2200.

- 2º mês: com R$440 de juros no 2º mês, a dívida subiu para R$2640. Considerando que novamente Marcelo consiga pagar R$200 para o agiota, a dívida restante será de R$2440.

- 3º mês: R$488 de juros, a dívida sobe para R$2928,abate-se R$200 e a dívida residual é de R$2728. 

- 4º mês: R$545 de juros, sobe para R$3273; abate-se R$200, residual de R$3073;

- 5º mês: R$614 de juros, divida sobe para R$3688; abate-se R$200, residual de R$3488;

- 6º mês: R$697 de juros, divida sobe para R$4185; abate-se R$200, residual de R$3985;

- 7º mês: R$797 de juros, divida sobe para R$4783; abate-se R$200, residual de R$4583;

- 8º mês: R$916 de juros, divida sobe para R$5499; abate-se R$200, residual de R$5299;

- 9º mês: R$1059 de juros, divida sobe para R$6359; abate-se R$200, residual de R$6159;

- 10º mês: R$1231 de juros, dívida sobe para R$7391, abate-se R$200, residual de R$7191;

- 11º mês: R$1438 de juros, dívida sobe para R$8629, abate-se R$200, residual de R$8429;

- 12º mês: R$1685 de juros, dívida sobe para R$10115; abate-se R$200, residual de R$9915

 

 

 No prazo de um ano, Marcelo, que pegou emprestado R$2.000, terá pago ao agiota R$2.400, mas ainda deverá quase R$10.000 a este homem!

Juros altos significam uma dívida impagável e o início de um ciclo sem fim, pois a pessoa endividada não consegue suprir a dívida com seus ganhos e, mesmo pagando um pouquinho por mês, os juros vão correndo e dívida aumenta de maneira incontrolável.

 

Extorção

Como os juros cobrados são extremamente altos, a dívida cresce rapidamente e esta situação se agrava já que, geralmente, a pessoa que pega dinheiro emprestado com o agiota já está endividada e não tem meios para arcar com o valor necessário para quitá-la. O agiota tem pleno conhecimento desta situação e conta com ela, neste cenário a dívida nunca é totalmente paga já que ela aumenta muito todos os meses. Por mais que o endividado se empenhe em pagar ele sempre estará em débito, dando continuamente mais dinheiro ao agiota sem se livrar nunca da sua dívida. Este cenário é muito preocupante por que, para garantir o recebimento do dinheiro e dos juros, o agiota começa a ameaçar os bens, a pessoa, os contatos e a família do devedor.

 

NUNCA pegue dinheiro emprestado com um agiota

Recorrer à um agiota pode parecer uma opção simples e fácil em casos emergenciais, mas na verdade este é o tipo de negócio que resulta em perdas não importa qual o resultado da transação. Caso você consiga finalmente quitar a dívida terá perdido muito dinheiro, pois como os juros são elevados, terá que pagar muito mais do que o valor que recebeu. Caso não consiga quitar a dívida está sujeito a ter sua família e conhecidos extorquidos, além de perder os bens que deu como garantia.
Para evitar os agiotas o melhor é sempre se programar e prever os possíveis gastos futuros. A partir desse ponto deve-se prever se será necessário um empréstimo futuro, ou não, e pesquisar os melhores meios para obter este serviço com uma taxa reduzida de juros. Além disso, busque alternativas para o caso de desespero, venda alguns imóveis, objetos e tudo que puder ser desfeito para obter algum valor, mesmo que pequeno em troca. É sempre melhor do que se colocar em uma situação devedora ilegal, onde seu bem estar e de sua família podem estar em cheque.

 

Como denunciar

Os agiotas costumam provocar terror e medo em suas vítimas que tem medo de denuncia-los.
É possível denunciar a ação de um agiota na Delegacia de polícia ou no Ministério Público. Ao fazer a denúncia é preciso ser claro sobre o que aconteceu (contar a respeito do empréstimo, dos juros e das ameaças) e, se possível, oferecer provas como panfletos, testemunhas, gravações e informações como nomes, endereços e telefones.

 

 

O textos da seção Educação Financeira são uma iniciativa do grupo Nossa Saúde Financeira
  Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar
 

 

sicak video

film izle

sicak video

Film izle

film izle