Financiamento de Veículo

financiamentodeveiculoOs constantes problemas no transporte público como ônibus e metrôs cheios, interrupções nos serviços e as grandes distâncias a serem percorridas são fatores que levam qualquer cidadão a considerar a possibilidade de comprar um automóvel.

A ideia de ter fazer deslocamentos com mais conforto e liberdade é muito sedutora. Segundo dados da Associação Nacional das Instituições de Crédito cerca de 8,5 milhões de pessoas afirmaram que pretendem comprar um carro novo ou usado e mais de 70% delas planejam fazer um financiamento para adquirir o veículo em 2012.

Isto significa muita gente financiando e comprando, mas será que todos conseguirão pagar? A resposta é simples: NÃO.

Inadimplência

A falta de pagamento das parcelas de financiamentos de veículos novos e usados provoca um calote de bilhões de reais todos os anos, mas quem fica com esse prejuízo?

O prejuízo não fica com a fábrica que produziu o carro, com a loja que vendeu ou com o banco que fez o financiamento. Os bilhões de reais perdidos pela falta de pagamento são repassados para os consumidores. O calote vai se refletir no preço dos carros ou nos juros, que irão subir, isto significa que quanto mais pessoas deixam de pagar as parcelas, mais caros ficaram os carros, seja para quem deseja pagar a vista ou parcelar.

Financiamento

Nas condições da maior parte das famílias e indivíduos brasileiros, adquirir bens de alto valor como um automóvel por meio de pagamento à vista é uma tarefa quase impossível. No entanto, antes de decidir por um financiamento é preciso avaliar qual o melhor momento e como barateá-lo ao máximo.

Para ilustrar fizemos algumas simulações de financiamentos de um carro popular zero quilômetro que custa em torno de 28 mil reais:

 

Caso 1

No primeiro caso consideramos que um comprador tem apenas 3 mil reais para comprar um carro, mas resolve adquiri-lo imediatamente, então faz um financiamento em longo prazo (4 anos) com parcelas por volta de 770 reais mensais. Nesta simulação, o proprietário vai pagar pelo carro um valor muito maior do que o preço à vista, pois ao final dos 48 meses, o custo total do carro terá sido de quase 40 mil reais, isto significa mais de 10 mil reais pagos em juros!

Valor do carro: R$ 28.000,00
Prazo de compra: 4 anos (48 meses)
Entrada: R$3.000,00
Parcelas: 48 x R$769,31 
Juros: 1,72% ao mês 
Tempo de espera: 0

Preço final pago pelo carro: R$39.926,88



Os números assustam, mas isso não significa que é impossível comprar um bem financiado, vejamos outras simulações com resultados diferentes:

 

 Caso 2 

 No segundo caso consideramos a compra do mesmo carro, mas propomos que ao invés de adquirir o carro na hora, o consumidor esperasse mais 7 meses, guardando na poupança o dinheiro que daria de entrada no exemplo anterior (3 mil reais), além das 7 parcelas iniciais que pagaria pelo carro.

Se o rendimento da poupança for em torno de 5% ao ano, o comprador terá mais de 10 mil reais para dar de entrada ao invés de apenas 3 mil reais e, com uma entrada maior, o financiamento pode ser muito mais vantajoso. 
Escolhendo financiar o carro no mesmo local, com a mesma taxa de juros, mas com a entrada de 10 mil reais, o cenário melhora um pouco e é possível financiar o mesmo carro em 36 vezes pagando cerca de 670 reais por mês. Ao final de três anos de financiamento, o comprador terá gasto cerca de 34 mil reais pelo carro, uma economia de mais de 5 mil!

Valor do carro: R$ 28.000,00
Prazo de compra: 3 anos (36 meses)
Entrada: R$10.000,00
Parcelas: 36 x R$674,83
Juros: 1,72% ao mês
Tempo de espera: 7 meses

Preço final pago pelo carro: R$34.293,88 

 


Caso 3

No terceiro caso consideramos a compra do mesmo carro, mas propomos que ao invés de adquirir o carro na hora, o consumidor esperasse 12 meses, guardando na poupança o dinheiro que daria de entrada no exemplo anterior (3 mil reais), além das 12 parcelas iniciais que pagaria pelo carro.

Ao final deste ano o comprador teria poupado cerca de 17.500 reais para dar de entrada no carro ao invés dos 3 mil reais. Isto significa que, com o esforço de guardar o dinheiro por um ano, é possível financiar o automóvel por muito menos e em menos tempo!
Dando de entrada 15 mil reais (ou seja, ainda sobram mais de 2.500 reais guardados na poupança para alguma emergência), é possível financiar o carro em apenas 24 meses por cerca de 665 reais mensais ou então em 36 meses por cerca de 490 mensais. Na primeira opção, o preço final pago pelo carro seria de 31 mil reais e na segunda opção ele sairia por volta de 32 mil.

Valor total a ser pago: R$ 28.000,00
Prazo de compra: 2 anos (24 meses)
Entrada: R$15.000,00
Parcelas: 24 x R$665,72
Juros: 1,72% ao mês
Tempo de espera: 12 meses

Preço final pago pelo carro: R$30.977,28 

 

Escolhendo


Qual a melhor escolha para uma pessoa que tem 3 mil reais para dar de entrada em um carro e pode arcar com prestações de cerca de R$770 por mês durante um bom tempo?

  • No Caso 1, resolve financiar imediatamente o carro, pagaria por 4 anos e o preço final do carro seria de aproximadamente 40 mil reais.
  • No Caso 2, economizando o dinheiro que pagaria no carro por 7 meses, é possível dar uma entrada de 10 mil reais e financiar o carro em 3 anos, pagando cerca de 670 reais mensalmente. Quase 100 reais a menos por mês, e um resultado final muito melhor, pois o carro sairia por um preço próximo de 34 mil reais. 
  • No Caso 3, economizando o dinheiro que pagaria no carro por 12 meses, é possível dar uma entrada de 15 mil reais, guardar cerca de 2.500 reais e ainda financiar em 2 anos por aproximadamente 665 reais por mês, pagando no final 31 mil pelo carro.

Os casos são exemplos que mostram como, com as mesmas condições iniciais, é possível financiar um automóvel em menos tempo e pagando menos, basta se programar e controlar a ansiedade na hora de fazer a compra. Antes de optar direto pelo financiamento, é importante parar, pensar e tentar guardar o dinheiro por um tempo, pois assim as condições são muito mais vantajosas.

Além disso, verifique se o carro é realmente necessário para o seu dia a dia, não corra o risco de ficar sem reservas financeiras apenas para ter um luxo, analise seus gastos e nunca dê um valor de entrada que faça com que sua poupança fique muito baixa, devemos estar atentos as incertezas da vida e por isso ter uma reserva financeira considerável.

 

 Fique de olho

 

Além das condições do financiamento, ao adquirir um automóvel é preciso estar atento a outras questões para não subestimar os gastos. O custo mensal de um carro não se mede apenas pelo valor da parcela que será paga no financiamento, é preciso pagar seguro, combustível, consertos, estacionamento, pedágio, impostos, o que significa um custo mensal de cerca de 500 reais por mês.

Vamos imaginar uma pessoa que receba um salário de cerca de 1.600 reais e decide comprar um carro nas condições apresentadas no caso 1. Nesta situação, o proprietário do veículo terá que desembolsar em torno de 1.270 reais mensais só com gastos relacionados ao carro, isto significa comprometer quase 80% do que ganha por mês ao longo dos próximos 4 anos!

Quem pretende adquirir um automóvel e opta por guardar o dinheiro por algum tempo antes de fazer a compra, além de diminuir o valor e o número de parcelas, reduz também o período em que as despesas de financiamento e os custos de manutenção do automóvel estarão acumulados, deixando o orçamento mais folgado.

 

O textos da seção Educação Financeira são uma iniciativa do grupo Nossa Saúde Financeira
  Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar
 

 

sicak video

film izle

sicak video

Film izle

film izle